suculentas pendentes

10 Espécies de Suculentas Pendentes

Elas são belas, coloridas, fáceis de cuidar e difíceis de matar, com certeza estamos falando das suculentas. Apesar do nome sugestivo esse gênero de planta não é comestível (apesar de algumas espécies poderem ser consumidas, mas isso é assunto para outro artigo).

São as queridinhas do momento e vieram para ficar, não importa se na sua casa ou trabalho e você vai entender o porquê dessa febre pelas suculentas: elas resistem muito tempo sem água, purificam o ar do ambiente, deixando sua casa mas fresca e arejada levando o verde  para dentro de suas paredes.

É a planta amada por decoradores, que alia utilidade e beleza.

Existem incontáveis variedades de plantas suculentas, grandes, pequenas, de cores quase infinitas. Explica em parte a febre em colecionar suculentas.

Diante deste leque infinito de possibilidades vamos nos focar nesse post nas variedades pendentes de suculentas. Certamente algumas delas vão se tornar parte do seu jardim e da sua casa. Vamos te passar dicas de como cuidar e onde posicionar cada espécie pendente a depender da quantidade de luz do sol e água que cada espécie requer.

Rabo de burro – (Sedum morganianum)

rabo de burro suculenta

Originário do México e de Honduras, o rabo de burro leva esse nome popular pela característica da planta: seus longos caules espessos e pendentes, recobertos por folhas suculentas.

Devido a suas características pendentes recomenda-se o cultivo em vasos altos ou suspensos em jardineiras a beira de janelas (desde que o local não recebe muito vento, pois ela detesta vento em excesso).

Cuidados com o manejo dessa planta, suas folhas são muito delicadas e trocar ela de lugar com frequência pode fazer perder todas folhinhas, deixando sua planta com visual não muito bom.

Ela tolera e até gosta de algumas horas de sol pleno ao dia (no máximo 3 horas), mas ela ficará linda à meia sombra.

Leia mais sobre o rabo de burro aqui!

Cacto Macarrão – (Rhipsalis baccifera)

Ideal para ser cultivado em cestos e vasos suspensos em varanda ou apartamentos, a rhipsalis é uma planta de aspecto original. O cacto macarrão é uma planta epífita (que vive em arvores, mas não é uma planta parasita, apenas usa o suporte da arvore para se desenvolver). O cacto macarrão, apesar de seu aspecto inusitado e não gostar muito de sol pleno, é uma planta da família das cactáceas.

Pode ser usado para criar lindos efeitos de cascata verde vasos ou jardins verticais, é ótimo para ser usada em ambientes internos, mas gosta de boa luminosidade se desenvolvendo bem em meia sombra e até mesmo recebendo até 3 horas de sol pleno.

Como planta epífita o substrato deve ter bastante fibra vegetal (casca de pinus ou fibra de coco)

Comambaia – (rhipsalis Paradoxa)

Parente direta da rhipsalis baccifera, a comambaia partilha quase todas as características do cacto macarrão, sendo uma planta epífita, que se apoia em arvores, de meia sombra e tolerância a poucas horas de sol pleno.

Porém diverge de sua irmã por suas características físicas, tendo folhas que nascem como fossem ondulações formando quedas que lembram cabelos verdes ondulados.

Como todo cacto ou suculenta ela é de fácil manejo, prestando atenção sempre nas regas, que devem ser espaçadas e realizadas sempre que o substrato estiver seco ao toque dos dedos.

Colar de Pérolas – (Senecio rowleyanus)

colar de pérolas

O Colar de pérolas é uma suculenta originária da África do Sul. As folhas dessa planta são muito decorativas, pois elas crescem em formato de esfera, criando pendentes que lembram colares, seu caule pode alcançar até um metro e meio de comprimento. Ótima para ser usada em vasos suspensos ou em cima de estantes.

Suas hastes graciosas pontilhadas pelas folhinhas em formato esférico lembram um colar ou uma cortina feita de contas esféricas. Para cultiva-las é simples: um substrato bem drenado e moderadamente fértil: uma mistura de solo, esterco curtido ou bokashi e areia de construção

Colar de Rubi – (othonna capensis)

Suculenta de sol pleno, seu nome deriva por sua cor rubi forte que adquiri quando exposta a sol pleno. Suas folhas se tornam roxas puxadas para rubi formando lindos pendentes com seu caule coberto. Quando deixada a sombra ou meia sombra, seu caule se torna cor de rubi e suas folhas espaçadas com coloração verde. O show das folhas não sendo o bastante, a planta ainda oferece florações com flores em formato de margaridas amarelas, um mimo.

Simples de cuidar, desde que esteja num substrato adequado e bem drenado para suculentas, com uma mistura equilibrada de areia, terra de jardim e um pouco de adubo.

Colar de golfinhos – (Senecio Peregrinus)

Essa suculenta é uma das mais raras de se encontrar no mercado e uma das mais belas também. Para olhos desatentos é bem provável que esse planta se passe por um enfeite artificial. Suas folhas a depender do ângulo que se olha realmente lembram golfinhos. E aqueles que gostam de coisas fofas para enfeitar seu lar, essa é a planta que faltava.

Além de extremamente decorativa, ela é uma suculenta de cuidados básicos: solo bem drenado, precisando de poucas regas a cada 15 dias, prefira regas grandes com solo bem seco do que pequenas regas com solo ainda úmido, pois você previne o apodrecimento das raízes.

É uma planta que vai muito bem em sol pleno, como em meia sombra com ambiente bem ilumiado.

Bananinha – (Senecio Radicans)

Quase irmã do Colar de golfinhos, porém as formas geométricas da Senecio Radicans lembram bananas ou “bananinhas” como é conhecida popularmente, As suculentas Senecio ocorrem em todos os continentes, mas a maior parte dessas espécies são originários da África e Ilhas Canárias. A bananinha possui caules repletos com as folhas em formato de banana. Gosta de regas cheias e pontuais variando entre uma semana a quinze dias, dependendo da época do ano. Sendo recomendado o controle mais restrito nos meses mais frios, quando a planta entra em dormência, ela aprecia meia sombra, mas também pode ser cultivada a sol pleno, sendo uma planta bem robusta.

Assim como o colar de golfinho essa suculenta é mais rara de se achar no mercado, tanto pela procura quanto pela oferta da planta nas floriculturas e gardens, pois só agora começar a cair no gosto dos amantes de suculentas brasileiros.

Coração emaranhado – (Ceropegia woodii)

O coração emarannhado é uma ótima planta para iniciantes, exige apenas cuidados básicos e pouco volumosa, seu visual gráfico e a forma de suas folhas, a faz ser uma escolha acertada para apartamentos.

Originária das regiões semiáridas da África do sul, o coração emaranhado é uma suculenta trepadeira que apresenta uma ou várias raízes dilatadas que servem como depósito de água. Seus tubérculos podem atingir até 5cm de diâmetro. É uma planta rara de se encontrar no mercado, vale a pena a procura.

O coração emaranhado suporta muito bem sol pleno ou meia sombra. Com um substrato bem drenado e com boa adubação.

Cebola ornamental – (Bowiea volubilis)

Essa é a espécie mais rara de suculenta aqui no Brasil. Cebola ornamental tem origem na região central da África do Sul, nas regiões desérticas, que tem como característica principal, as chuvas concentradas durante o verão, um volume entre 200mm e 800mm. Para reservar toda essa para o restante do ano em seca, a cebola ornamental tem um bulbo gigante que cresce acima do solo e pode alcançar entre 15 e 20cm de diâmetro. Desse bulbo nascem várias hastes ramificadas de verde vivo que podem alcançar até 2,50 de comprimento, formando lindas cascatas verdes.

Evite sol direto na raiz da planta que pode ter queimaduras causadas pela exposição, cultive em ambiente de meia sombra, em solo bem drenado. Regue a planta durante o período de crescimento do bulbo, diminua após a floração. Quando adulta faça pequenas regas quinzenais.

Flor de Maio – (Schlumbergera truncata)

A queridinha das casas de mães e avós, essa suculenta pode não ser tão rara, mas é uma das mais belas que existem, seu nome popular no brasil deriva de sua floração acontecer no período do outono brasileiro entre abril e junho, concentrado no mês de maio. Com uma grande variedade cores que podem ir do pink até ao branco passando por vermelhos e rosas. Ela aprecia meia sombra, mas suporta até 3 horas de sol pleno.

Os cuidados com essa queridinha são os mesmo de todas as outras suculentas, pouca água iluminação regular e um solo bem drenado.